Costa Araújo, entre a Aguarela e o Acrílico

Nascido em Braga em 1947, Costa Araújo viveu em Angola e no Brasil quase toda a sua vida. Viveu também uns anos no Alentejo mas actualmente reside na cidade que o viu nascer.

É artista há largas décadas mas nem sempre se dedicou a tempo inteiro à pintura. O seu traço é único e reconhecível, quer estejamos perante trabalhos seus em aguarela ou acrílico.

Costa Araújo4

A sua maior fonte de inspiração é o ser humano, em toda a sua pluralidade e singularidade. A expressão de emoções é uma presença constante no seu trabalho e é na figura da mulher, que encontra a sua musa universal.

Expõe com regularidade há já vários anos, em Portugal e no Brasil. Mais recentemente, na Torre de Menagem (Braga), no Espaço Feng Shui (Braga), Galeria Magenta (Figueira da Foz), entre muitos outros.

Nem sempre trabalhaste como artista, no entanto sempre estiveste ligado ao desenho e à pintura. Podes explicar-nos de que forma? Trabalhei sempre ligado à decoração e ao desenho, fazendo projectos de decoração para grandes superfícies, lojas, boutiques…Mas sempre uma vertente artística guiava meus projectos, para lá da pintura dos antigos painéis de Cinema de grandes dimensões em que trabalhei…

Costa Araújo-001

Porquê  a predilecção pela representação da figura humana nas tuas pinturas? A figura humana está sempre presente no meu trabalho e gosto de me envolver com as minha figuras e personagens. Na minha pintura também há muita influência de África e do Brasil.

Costa araújo3

Qual o significado da pintura que doas à APDH? A obra doada está ligada aos sonhos e mistérios que muitas vezes nos envolvem…

….

Não deixem de visitar a exposição e contemplar esta obra única, em tons de azul-celeste, de Costa Araújo.

E, se estão curiosos, passem pelo seu Facebook, para mais figuras humanas fantásticas!

OBRIGADO Costa Araújo!

Anúncios

Helena Zália – Porque há pessoas que são para o que nascem!

Nasceu em Guimarães e, se não é o destino, hão-de ser, a força de vontade e o foco naquilo que gosta que a têm motivado a trilhar um caminho que lhe serve como uma luva! Para o bem e para o mal, nem toda a gente “é para o que nasce”, mas a Helena Zália, sem dúvida que, nasceu para criar.

Helena Zália 5-001

É Licenciada em Ensino de Educação Visual – Escola Superior de Educação de Leiria, em Design de Comunicação – Universidade de Aveiro e mestre em Diseño y Producción Gráfica – Universidad de Barcelona.

Ao longo dos anos tem completado a sua formação em workshop’s e acções de formação de Desenho, Pintura, Serigrafia, Fotografia, Escultura, Cerâmica, Animação, Marionetas e Ilustração.

Participou em exposições colectivas nos domínios da Pintura, Fotografia, Design e Ilustração e venceu o Prémio de Ilustração – V Concurso Literário da Trofa.

É autora das ilustrações dos contos:  Pirilampo e os deveres da escola; Andava, andava, andava … em Guimarães; Gémeos; Máquina de Sonhos.

Ainda no domínio da ilustração, participou no 1º, 3º, 5º e 7º Encontro Nacional de Ilustração de São João da Madeira, na 1a Bienal de Arte de Gaia, assim como, expõe o seu trabalho individualmente.

Dedica-se à criação de personagens tridimensionais em ligadura de gesso, desde 2003, realizando exposições das mesmas. Em 2012 criou a instalação permanente “Com os pés na terra e a cabeça nas nuvens” para o Museu do Brincar [Vagos].

Helena Zália 2-001

As artes, e a ilustração em particular, sempre foram um objectivo de vida? O meu interesse pelas “artes”, é muito anterior a qualquer definição de objectivos para a vida. Inicialmente foi um interesse inconsciente, sem filtros, mas muito verdadeiro. Desde que me lembro que existo que o fascínio pelas imagens está patente. A minha infância não foi pautada pela presença de pessoas ligadas ao meio artístico/criativo, nem pela presença constante de livros, no entanto, lembro-me que as reproduções de pinturas, as ilustrações das revistas de moda que a minha mãe tinha em casa, ou os desenhos animados apresentados na televisão pelo Vasco Granja exerciam sobre mim um poder inexplicável e um deslumbramento. E desde sempre senti um prazer enorme em desenhar e transformar coisas, tarefas que foram sempre alimentadas, numa primeira instância, pela minha vontade de criar e depois pela família e por alguns professores que tive ao longo do percurso escolar. A minha primeira intenção de ilustrar aconteceu quando me deparei com os livros da Anita na escola primária, e decidi eu mesma criar algo semelhante, o que se veio a revelar uma tentativa falhada e frustrante, pois os resultados não se aproximavam de todo áquelas ilustrações que eu tanto admirava. Com o passar dos anos fui adquirindo/acumulando experiências criativas, técnicas plásticas e manuais, conhecimentos acerca da história da arte e obras de artistas/autores e aguçando o meu sentido estético. Como consequência, e de uma forma muito natural surgiram projectos que me trouxeram até à ilustração e à criação de imagens. É algo muito institivo e intuitivo em mim, não há como fugir a algo tão visceral. Criar é uma necessidade.

Helena Zália 6-001

A par do desenho, utilizas materiais e texturas de uma forma tão orgânica que quase parece que são os teus personagens a dizer-te de que querem ser feitos. Essa é uma capacidade instintiva ou é fruto de experiência? Penso que é uma combinação de ambos. Por norma, sou uma pessoa que responde de uma forma muito instintiva aos estímulos, no entanto, a experiência, nomeadamente, no domínio da aplicação de técnicas vai ditando o caminho a seguir. Mas, tenho a consciência que as imagens crescem não só por aquilo que eu defino para elas, mas a maior parte das vezes são elas que assumem o comando das decisões. É algo que não se explica, que simplesmente acontece e eu só posso deixar fluir.

Fala-nos da ilustração que decidiste doar à Associação Portuguesa de Doentes de Huntington. A ilustração em questão não foi criada em particular para esta causa, ela faz parte da série “Matriz”, e matriz é o lugar onde algo se gera ou cria. Optei por doar esta, pela mensagem de liberdade, amor, cooperação, vida, que ela transporta em si.

“Porque os homens são anjos nascidos sem asas, é o que há de mais bonito, nascer sem asas e fazê-las crescer.” José Saramago in Memorial do Convento

…….

Esta mensagem, “pedida emprestada” a José Saramago, estará exposta, numa ilustração de Helena Zália, no GNRation a partir do dia 10 de Outubro. Mais uma razão para estarem lá!

Para muito mais de Helena Zália, visitem o seu Facebook e site.

OBRIGADO Helena!

Constança pura!

Constança Araújo Amador nasceu em 1984 e acredita na poesia.

E este é, talvez, o tipo de informação mais completo que se pode dar sobre um artista.

Constança3

Não obstante, o seu percurso profissional requer que se faça um, ainda que breve, resumo.
É licenciada em Artes Plásticas – Pintura, pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Pós-Graduada em Gestão Cultural pela Universidade Portucalense Infante D. Henrique e Mestre em Ilustração e Animação pelo Instituto Politécnico do Cávado e do Ave.

Desenvolve o seu trabalho artístico nas áreas da Pintura, do Desenho e da Ilustração. Participa em exposições individuais e colectivas desde 2006.  Orienta e realiza workshops e é directora de ilustração do Jornal Universitário do Porto (JUP).

Publicou o livro “Melancholia”, inspirado no filme homólogo de Lars Von Trier, na 14.ª edição da colecção “O Filme da Minha Vida”, pela Associação AoNorte Cineclube de Viana do Castelo e participou na edição do livro “Pelos Olhos dentro: 40 imagens de Abril”, da editora Arranha-Céus, organizada por João Paulo Cotrim. Mais recentemente fez as ilustrações do livro “Pessoas” sobre Fernando Pessoa e os seus heterónimos de Ricardo Barceló.

Quem ou qual foi a tua principal influência na escolha do teu caminho artístico? Os meus Pais, sem dúvida. Ambos são artistas plásticos, investigadores e pessoas que admiro muito. Com eles desde criança fui habituada aos ritmos e visões de cada um, visitei muita exposições e locais importantes da história da arte e tinha a liberdade como a aceitação de fazer do desenho e da pintura, a minha forma de expressão. O meu avô materno também foi importantíssimo no meu percurso artístico, com ele aprendi a observar a cadência das coisas, a ser paciente e sensível com tudo o que me rodeia.
Constança2
Porquê os pássaros, como principal tema, e a aguarela, como principal meio? Acho que o imaginário que tento transmitir é na realidade o pequeno universo que é o meu dia-a-dia — querer e estar rodeada pela Natureza. E na Natureza, os pássaros. Tenho uma ligação muito especial com os melros e com os piscos e gosto que o meu trabalho seja desta forma também auto-representativo. O que tento transmitir mais que contar histórias, é fixar momentos.

Depois, gosto do imediato na ilustração e a aguarela dá-me essa possibilidade, de poder avançar com uma ideia e torná-la num trabalho final, além de poder trabalhar melhor a mancha e as suas transparências. Mas tenho saudades de trabalhar em tela, de pintar a óleo e a acrílico. Sinto que o meu trabalho precisa de passar para um formato maior. Retomar a Pintura.Constança1

Fala-nos um pouco de como nasceu a ilustração que doaste à Associação Portuguesa de Doentes de Huntington. A ilustração que doei foi feita a partir de um dos meus poemas preferidos de Mário Cesariny: “Do capítulo de devolução” que diz:

No cosmos, olhar o cosmos como os que ainda podem
interrogar as ondas e morrer

Posso dizer que é um dos poucos trabalhos que ainda olho para ele e o sinto como meu. Normalmente desfaço-me emocionalmente dos trabalhos quando os acabo, como se o meu dever de ter que os ver feitos finalizasse-se com uma “pequena morte” artística. Guardo-os e depois espero que alguém goste e que queira ficar com eles.
………

Cá para nós, absolutamente inspiradora! No dia da inauguração da exposição fiquem a conhecer esta ilustração tão especial de que nos fala e que nós tanto agradecemos!

Para mais Constança basta seguirem o seu Facebook, site ou tumblr

OBRIGADO, Constança!